16 julho 2012

Fator psicológico na Reprodução Assistida


Percebi ao longo da minha trajetória que as mulheres com dificuldade de engravidar começam a se fechar num mundo muito solitário e frio,em que só se identificam com quem está no mesmo propósito. Deixam de sair com receio dos comentários alheios, cobranças e sentem-se inferiorizadas em relação as outras mulheres que já são mães;
pouco dividem com seus companheiros seus sentimentos de angústia com medo da rejeição do parceiro , principalmente se a causa da infertilidade conjugal for feminina, podendo levar as pacientes a se sentirem mais responsáveis pela ausência de filho e culpadas perante o companheiro. Quando a infertilidade é masculina, a experiência e a resposta emocional dos homens são diferentes, pois têm que lidar com as inconveniências do tratamento e atitude dos outros diante da infertilidade; sentem-se, nessa situação, responsáveis pela dificuldade que o casal vive. As mulheres, em alguns casos, abandonam até seus empregos para dedicarem-se exclusivamente aos tratamentos para engravidar, pois enfrentam um outro problema no trabalho : os patrões não entendem e acham que a mulher está fazendo  “corpo mole”.
Geralmente, as mulheres levam a infertilidade para outros segmentos de sua vida, uma vez que a situação a ela relacionada é frustrante e angustiante, gerando muito sentimento de impotência.
O processo terapêutico ajuda muito nessa hora, pelo menos tenta amenizar um pouco. Algumas pacientes engravidaram justamente no momento em que se viam produtivas no trabalho e maduras em sua vida pessoal. A infertilidade interrompe um projeto de vida pessoal e do casal, produzindo sofrimento psicológico. Para alguns, ter um filho é o principal objetivo de vida e, nesses casos, o sofrimento decorrente da infertilidade é bem maior.
Ao iniciar o primeiro procedimento de FIV, os casais mostram-se muito otimistas e superestimam suas chances de sucesso, pois apostam tudo no tratamento achando muitas vezes que terão certeza de uma gravidez logo na primeira tentativa.
Após a falha de um primeiro ciclo, homens e mulheres apresentam aumento significativo de ansiedade e sintomas depressivos após a transferência dos pré-embriões. Homens e mulheres apresentam níveis normais de ansiedade, depressão e autoestima, não se evidenciando diferenças significativas.
Algumas mulheres apresentaram maior investimento na maternidade,considerando-a algo central para sua identidade. Para elas, a infertilidade passou a ser o maior problema de suas vidas e, ter um filho é o objetivo principal, porisso se torna um sofrimento psicológico.

___________________________________________________________
FABÍOLA PECE comenta:  Só quem passa porisso para saber como nós mulheres nos sentimos. Essas cobranças de familiares , amigos e, principamente, a nossa cobrança interior, nos consome, e  fazendo uso de hormônios nos tratamentos de FIV , a instabilidade emocional se faz muito presente. Muita ansiedade seguida muitas vezes de frustração e depressão.  sem dúvida um acompanhamento psicológico nesta etapa é muito importante.


Nenhum comentário:

Pesquise o assunto

Postagens Anteriores

Receba as postagens no seu e-mail

Ocorreu um erro neste gadget

Qual assunto você gostaria de ler ?

Nome:
E-mail:
Assunto:
Mensagem: