13 julho 2012

Cigarro e Álcool – Vilões da Fertilidade


Nesta postagem, procurei resumir , da forma mais objetiva, os danos que o cigarro e o álcool causam aos gametas (masculinos e femininos), a concepção e ao período da gravidez, muitas vezes ainda estendendo os danos a criança que  ainda vai nascer.


Cigarro: 

Nas mulheres, além de afetar a produção de óvulos, o fumo também prejudica todo o tratamento de reprodução assistida, uma vez que aumenta o risco de hemorragias, infecções da pélvis e partos prematuros. É responsável por alterações hormonais. Pode causar também alterações menstruais, por causa das disfunções hormonais e lesões tubárias, aumentando assim a incidência  de gestação ectópica (nas trompas). Pode reduzir a quantidade de estrogênio circulante e alterar a circulação sanguínea ovariana, contribuindo assim para a diminuição da qualidade e quantidade de óvulos e aumentando o risco de problemas genéticos nos embriões. Devido aos seus efeitos nos vasos sanguíneos, além de diminuir a chegada de sangue aos órgãos genitais está relacionado a uma menor taxa de implantação embrionária.
Nos homens, o cigarro  afeta o aumento de espermatozoides  defeituosos , pode ser responsável também por aumentar a quantidade de radicais livres no líquido seminal, levando a uma queda de qualidade e quantidade de espermatozóides, além de estar relacionado a alterações estruturais do mesmo. O desequilíbrio do sistema biológico que danifica as células pode ser causa de má qualidade dos pré-embriões. De acordo com estudos ,apenas 6% dos homens tabagistas apresentam espermograma normal. Na geravidez, o tabaco pode prejudicar o desenvolvimento fetal por comprometimento vascular na placenta, e aumentar a frequência de fetos com baixo peso, parto prematuro e óbito antes de nascer.

Álcool:

Na mulher, pode causar uma alteração na produção dos hormônios femininos. Isso resulta em possível falha da menstruação, aumento da prolactina (responsável, entre outras, pela produção de leite), diminuição da libido (desejo sexual), falha na ovulação e defeito de fase lútea (pós-ovulação) e, com isso, a infertilidade.
No homem, a libido também pode ser afetada naqueles que consomem grande quantidade de álcool.
Há uma atrofia das células produtoras dos espermatozóides por lesões vasculares, e modificações nas células do fígado que aumentam os níveis de estrogênio. A testosterona ( hormônio responsável pela produção de espermatozoides), apresenta uma queda e consequentemente há uma queda também no número e na qualidade deles. O consumo do álcool também tem sido relacionado com aneuploidias (alterações cromossômicas) em espermatozoides.
O álcool está presente no sêmen pouco tempo após a sua ingestão, o que gera consequências  diretas na  concepção e na implantação. Os efeitos da substância parecem desaparecer nos meses seguintes a sua interrupção, porém, atualmente, alguns relatos revelam que seus efeitos são irreversíveis.
Na gestação, o álcool também é um vilão. Ainda se desconhece um nível seguro do consumo da bebida nesta fase. Se ingerida na gravidez pode  levar a várias complicações, dentre elas a mais séria: a Síndrome Alcóolico Fetal. Esta doença, que pode ocorrer em 30% a 40% dos filhos de mulheres alcoólatras e provoca r deficiência de crescimento, retardo mental, distúrbios de comportamento, além do aumento da incidência de problemas cardíacos e cerebrais após o nascimento. Também  é responsável pelo aumento no risco de aborto espontâneo em 2 a 3 vezes se consumido pela mulher e de 2 a 5 vezes se for consumido pelo homem. Além disso, pode aumentar o risco de parto prematuro e morte fetal.
____________________________________________________________
FABÍOLA PECE comentaQuando se pensa em ter filhos temos que pensar que a vida que estamos gerando ou ainda queremos gerar nada tem a ver com nossos hábitos. O feto não é um fumante passivo qualquer, ou seja, aquele que inala a fumaça de cigarro, em um ambiente fechado, no caso o ventre materno. O feto é um ser em formação no ventre de sua mãe, indefeso, completamente dependente e vulnerável. Precisa existir a responsabilidade de se poupar a criança que está por vir. E ainda por cima correr o risco de abortos desnecessariamente. Porisso, pense bem, com consciência do que está fazendo. Hábitos saudáveis poupam muitos problemas.





Nenhum comentário:

Pesquise o assunto

Postagens Anteriores

Receba as postagens no seu e-mail

Ocorreu um erro neste gadget

Qual assunto você gostaria de ler ?

Nome:
E-mail:
Assunto:
Mensagem: