02 abril 2013

CONGELAMENTO DE EMBRIÕES – (Eficiência da técnica) .


Hoje em dias são duas as técnicas utilizadas: 
 1- congelamento lento ;
 2- vitrificação.

A primeira técnica, mais antiga, leva três horas para congelar um óvulo. Como essa é uma célula com muita água, a formação de grânulos de gelo no interior danifica as estruturas, resultando em uma taxa de fertilização em torno dos 2%. A segunda ,mais recente, congela a célula em apenas 3 minutos. A sobrevivência do óvulo é melhor, pois  suas estruturas são mantidas, assim como a taxa de fertilização também. Segundo dados fornecidos por clínicas de RA, essa porcentagem está em torno de 38%, mas os últimos dados (2007) do comitê da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva apontam apenas 4%.
Apesar do progresso científico, a fertilização dos óvulos congelados não é garantida e sua eficácia está intimamente ligada a idade e saúde da mulher. Após os 45 anos, fisicamente, a mulher não está em condições ideiais de gerar ou dar continuidade a uma gravidez. O ideal é no máximo até os 40 anos.
Mas antes disso, já a partir dos 30, a mulher deve estar preparada para possíveis problemas como diabetes gestacional, já que o corpo passou de seu estado perfeito para uma gestação. O aumento no número de prematuros, também é considerado uma consequência  de uma gravidez tardia.
Outro fator que deve ser levado em consideração: para se utilizar óvulos congelados, obrigatoriamente a mulher deverá optar por uma fertilização in vitro (FIV).
Algumas considerações importantes:

Nem toda mulher pode se submeter ao tratamento de hiperovulação que precede o congelamento. Algumas não podem tomar hormônio, têm problemas hepáticos ou de coagulação, o que impossibilitaria a produção de muitos óvulos e, portanto, a sua aspiração ( procedimento cirúrgico e, portanto, apresenta alguns riscos).
Outro fato é que, durante o tratamento, a mulher pode responder excessivamente ao hormônio, causando a síndrome do hiperestímulo ovariano e retendo líquido na região abdominal, sendo assim a mulher terá de passar novamente por todo o processo , mas é possível avaliar esse risco antes do tratamento. 
__________________________________________________________
FABÍOLA PECE comenta: Eu particularmente recorri várias vezes ao congelamento, pois como respondia e muito ao estímulo, produzia muitos óvulos, tendo 2 vezes que reiniciar o tratamento por  apresentar hiperestímulo. Muitas pessoas acham que a eficácia não é a mesma, mas a eficácia da transferência dos embriões descongelados é ótima. A única coisa é que no "descongelar" alguns são descartados, porém os que ficam são de boa qualidade e tão bom quanto os "a fresco".

Nenhum comentário:

Pesquise o assunto

Postagens Anteriores

Receba as postagens no seu e-mail

Ocorreu um erro neste gadget

Qual assunto você gostaria de ler ?

Nome:
E-mail:
Assunto:
Mensagem: